Posts com Tag ‘mulher’

Amigas (e amigos) do Muay Thai Mulher como vocês são incríveis e fizeram este simples espaço crescer, gostaria de informar (e dividir) a todos que o blog está migrando para um domínio próprio. Vocês já podem ler os posts em http://www.muaythaimulher.com.br .

Meu grande amigo Bruno André (que também tem um blog excelente que analisa redes sociais. Vale dar uma conferida, viu?) me incentivou e está fazendo a migração do conteúdo. O endereço antigo (este) está valendo ainda, podem ficar tranquilas. Em breve, porém, a atualização será feita apenas no ‘.com.br’, ok? Mas eu vou avisar. Aliás, essa transferência pode interferir em alguns processos, até que  o site fique certinho. Então, se vocês identificarem algum problema ou algo estranho, por favor, me avisem! Da mesma forma, me perdoem se eu demorar a responder um comentário ou atualizar os posts. Tenham certeza de que acertaremos tudo o mais rápido possível!

Aproveitando, aviso que no próximo post vou falar sobre suplementos, em resposta a um comentário feito aqui, no Muay Thai Mulher.

Mais uma vez, agradeço a todas (e todos) vocês que fizeram deste blog uma grande alegria na minha vida!

Então, gostaram da novidade? Quero saber a opinião de vocês, hein?

Certo, hoje é segunda-feira. Como se não bastasse, não é uma segunda qualquer… é a primeira do ano, logo depois de um período de farra, comes e bebes e, se você teve tantos compromissos quanto eu neste período, de pouco treinamento. No meu caso, para falar a verdade, de nenhum treino. Então, se este cenário dos meus primeiros dias de 2011 é igual (ou muito parecido) ao seu, você deve ter sofrido o mesmo que eu ao retomar sua rotina de treinamentos. Já sabendo que iria “sofrer”, tentei me preparar para que a volta fosse menos dolorosa. Assim, lá vão algumas dicas aqui no Muay Thai Mulher para você se recuperar mais rápido desses dias de “indisciplina”.

Primeiro passo: Alimentação.

Estes 15 dias que compreendem o Natal e o Réveillon, por mais que a gente queira, é quase impossível evitar os excessos, seja de bebida ou comida. Além das ceias com a família, existem aqueles encontros com os amigos. Eu sei, você até tentou, mas foi inevitável não beliscar uma batata frita ou uma friturinha. Isso, sem falar nas cervejas, prosecos, vinhos… Vamos combinar: ninguém é de ferro e você não vai me enganar dizendo que manteve a linha. Então, a primeira coisa a fazer é compensar comendo de forma equilibrada pelo menos nos próximos 15 a 20 dias.

Voltar com a alimentação de três em três horas e evitar, apenas nesses primeiros dias, açúcar, gordura e carboidratos, especialmente à noite é um bom começo. Opte por saladas, carnes magras como frango e peixe; sucos ao invés de refrigerantes e água, bastante água. Se você usa suplementos, retome seu consumo apenas quando se sentir com o organismo mais limpo. Não vai adiantar nada tomar um Whey Protein, por exemplo, e comer uma barra de chocolate ou uma pizza no jantar. Enfim, a ordem é desintoxicar.

Segundo passo: treine devagar.

Não sou atleta e acredito que a maioria de vocês que lê o Muay Thai Mulher também não seja. Quando digo atleta, me refiro a um acompanhamento de rendimento, uma rotina preparada, uma alimentação rigorosa e uma preparação para algum tipo de competição em bases regulares. Imagino que você, assim como eu, gosta de ficar em forma e de se manter saudável. Por isso, quando retomar a sua rotina de treinamentos, seja na musculação ou mesmo no tatame, vá devagar. Dê uma atenção especial aos alongamentos nestes dias de recomeço. Se você ficou parada como eu nestes 15 dias e já passou dos 30, vá devagar com os pesos e com a sua série. Não se chateie se não conseguir fazer tudo igualzinho por agora. É normal seu corpo se readaptar a atividade por dois ou três dias, até retomar o ritmo normal. Mas um alerta: não deixe a preguiça se estender por muito tempo, certo?

Terceiro passo: descanse bem.

Você fatalmente deve ter ido dormir depois, bem depois da meia-noite, neste intervalo. Por isso, é fundamental que a rotina de descanso seja retomada também. Desista da ideia de pegar um sábado e dormir o dia inteiro acreditando que isso irá repor seu sono. Especialistas explicam que as horas perdidas de sono só são repostas ao logo de, pelo menos, 10 dias. É mais aconselhável até que você tire uma soneca de 10 a 15 minutos durante o dia. Mas o repouso e o sono são importantes para ajudar na recuperação do metabolismo e no crescimento muscular. Fazer uma atividade física é “arrebentar” a musculatura e ela precisa deste tempo de descanso para se reconstruir. Portanto, volte a dormir bem!

Essas são algumas das dicas que acredito possam te ajudar a retomar seu ritmo de treinamento mais rápido e também a se livrar de alguns quilinhos que, por ventura, tenham aparecido. Espero que elas sejam úteis para vocês!

Você abusou muito nas festas de final de ano? Foi difícil retomar a rotina? Como você fez para recuperar este tempo? Deixe uma dica! Estou esperando, hein?

Feliz 2011!

Feliz 2011!

Amigas (e muitos amigos) que estão acompanhando meus posts. Antes de mais nada, agradeço a todos pelo apoio e pelas visitas. Sem dúvida vocês deram ao Muay Thai Mulher uma dimensão que não imaginava e espero continuar firme em 2011.

Aliás, por falar em 2011, você que malha e que treina já deve saber que é preciso segurar um pouco a onda nesses quinze dias que encerram o ano. Eu, por exemplo, estou há mais de uma semana sem treinar  por conta dos plantões no meu trabalho e dos inúmeros encontros com amigos que se proliferam neste período. Acredito que alguns de vocês devam estar vivendo o mesmo problema e se culpando por estar, quem sabe, bebendo e comendo além da conta.

Ok, é fim de ano. Acho até saudável dar uma paradadinha e uma mudada na rotina para que seu corpo relaxe. Essa parada para mim fez muito bem. Estava cansada e com muito medo de entrar em ‘overtrainning‘ (quando você treina no seu máximo e seu corpo não consegue render, nem ter ganhos e o risco de lesão, por conta disso, aumenta bastante), esse freio no meu dia a dia frenético foi muito bom. Por isso, tentei não cair em muitas tentações e isso é possível.

Além da carne branca e do bacalhau, tradicionais neste período, muitas mesas trazem também frutas. Então, para que você não se culpe e nem volte a treinar com o corpo inchado e com algumas gramas a mais, basta tomar cuidado, principalmente com as bebidas.

Ceia

Ceia

Neste réveillon, faça uma ceia leve, coma o bacalhau com salada. Muita gente não come chester ou peru neste período pela crença de que aves ciscam para trás e que, por isso, não é bom comê-las na ceia da virada. Portanto, se sua família ou você seguem esta regra é bem provável que na sua mesa tenha um tender. O tender e o pernil são carnes mais gordurosas. Claro, comer não vai te matar, mas não exagere e coma também com uma salada para ajudar na digestão. Alface é muito bom para este acompanhamento.

No quesito bebida, o fundamental (e difícil) é não misturar fermentados com destilados, tipo, cerveja com cachaça. É uma tarefa bem complicada, porque nas festas a oferta de todos os tipos de álcool é bastante tentadora, além do brinde obrigatório com champanhe, proseco ou mesmo uma cidra na hora da virada. Por isso, aí vão dois conselhos:

1. Se você começar a noite bebendo cerveja, vá com ela até o fim só abrindo exceção para o brinde e, ainda sim, não abuse! Além de ajudar a evitar uma ressaca braba, vai evitar também uma má digestão, que acontece muito por conta do excesso de comida e bebida que ingeríamos nestes dias.

2. Beba muita, mas muita água entre um gole e outro. Bebidas, principalmente as destiladas, desidratam muito, além do que  água ajuda a manter suas células e organismo equilibrado evitando que você fique bêbedo. Uma coca-cola de vez enquanto também faz bem. A glicose ajuda.

Outra coisa importante: no dia seguinte, dê preferência a refeições leves, certo?

Assim, amigas (e amigos) espero que vocês curtam a noitada com consciência, junto com aquelas pessoas especiais e que se divirtam muito! Desejo a todos  um 2011 ótimo, cheio de realizações e com muita disposição para treinar Muay Thai, ou para começar!

Depois me contem como foi o réveillon de vocês? Se abusaram ou se conseguiram segurar a onda? Quero saber, hein!

 

Neste domingo, algumas de minhas amigas e companheiras de treino estarão fazendo mais um exame de graduação no muay thai. Tenho andado muito ocupada com meu trabalho e, aproveito para pedir desculpas para vocês leitoras, tenho tido pouco tempo para me dedicar aos posts do Muay Thai Mulher, mas uma dessas minhas companheiras de treino, que estará no exame, me fez uma cobrança: dicas para passar por este dia importante. Então, não posso deixar de atender o pedido.

Amigas (e amigos também) a dica mais importante que eu posso deixar para vocês que vão fazer um exame para ganhar o seu primeiro kruang ou para mudá-lo de cor é: confiem no seu mestre. Não pense por um instante sequer que você não merece estar ali. Ele passou um ano te observando e sabe das suas capacidades. Portanto, você está onde tem que estar.

Outro detalhe psicológico fundamental: acredite na sua capacidade. Se seu comprometimento com o treinamento foi sério, se houve dedicação e empenho da sua parte, não há o que temer.

Sobre o exame especificamente, o que eu posso reforçar é aquilo que o seu mestre já deve ter falado bastante, mas é sempre bom lembrar:

Não esqueça seu equipamento: Luvas, ataduras, protetor bucal, caneleira e o uniforme são essenciais no exame. Caso você não possua alguns destes materiais tente pedir emprestado. Às vezes, seu professor pode ceder, mas não vá confiando nisso.

Tenha postura: não chegue para fazer o exame com cara de derrotado. Concentração, ombros erguidos e atitude contam pontos;

Atenção nos comandos: Fique atenta às ordens dos mestres. Ouça bem e evite se precipitar. Se você estiver com dúvidas sobre o movimento a ser executado, observe os outros alunos.

Informe qualquer lesão: antes do exame começar informe aos responsáveis sobre possíveis lesões que você tenha, pois ela poderá prejudicar o seu desempenho e os avaliadores podem tirar pontos caso não tenham conhecimento do problema.

Dose sua energia: dependendo da cor do kruang para a qual você está prestando seu exame, o teste será mais puxado. No princípio, deve acontecer a parte física, depois uma série de sequências, seguida de movimentação em dupla, finalizando com uma luva. Por isso, saiba colocar a energia e força necessária para cada etapa.

Não tenha medo de bater, nem de apanhar: Lembre-se que você está prestando um exame com outras pessoas que também têm o mesmo objetivo que o seu. Então, quando fizer luva, entenda que é um momento de avaliação para ambos e a pessoa vai querer te acertar, assim como você. Portanto, sem medo!

Firmeza sempre!: Durante as sequências ou a luva mantenha a expressão concentrada, guarda alta e fechada e execute os movimentos de maneira correta. Não soque à toa, nem chute sem objetivo. Pense na sequência, no seu espaço e observe a sua oponente.

Não desista!: Você vai ficar cansada. Vai querer parar. Vai sentir dores em lugares e em músculos que você nem sabia que tinha. Mas vá até o fim! Quando sentir que não está aguentando, foque no seu objetivo. Neste momento especial e único. É um esforço, sim! Um sacrifício, sim! Mas quando acabar e seu kruang estiver no seu braço, tudo terá valido a pena.

O que mais posso dizer é que você deve confiar em si mesma porque é capaz! Você se preparou e vai mostrar o que sabe, portanto não tem o que dar errado. Para quem vai fazer exame, assim como minhas companheiras, boa sorte!

Quero saber dos exames de vocês? Como foi? O que sentiram? Divida a sua experiência aqui no Muay Thai Mulher, ela pode ser motivadora para alguém!

Sei que no último post, prometi a vocês que faria uma série abordando as verdades e as mentiras sobre esta querida e nobre arte marcial. Podem ficar tranquilas leitoras do Muay Thai Mulher: cumprirei minha promessa. Mas neste post, peço licença a vocês pois preciso fazer um registro. Não, mais do que isso, preciso fazer um agradecimento. Espero também que possa ser mais um incentivo.

Não é segredo para ninguém e eu já relatei isso aqui mesmo no blog – faço mea culpa – que eu não tinha uma luva de Muay Thai. Quando comecei a praticar, lá em 2001, não tinha a intenção e nem pensava em um dia chegar tão longe. Meu interesse era fazer um esporte, uma luta que me estimulasse e me desse um bom condicionamento. Só que eu fui fazendo, fui passando nos exames… e cheguei até a preta 9 anos depois de ter começado.

Já é do meu temperamento ser disciplinada e obedecer hierarquia. No Muay Thai, como em qualquer arte marcial (e na vida deveria ser assim também), estes valores têm muita importância, pois ensinam o respeito aos mais velhos, ao seu oponente e aquele que é mais forte ou mais fraco que você. Nunca treinei sem uniforme, nunca treinei sem atadura e, depois que comprei, nunca mais treinei sem o protetor bucal. Porém, sempre falhei em uma coisa: não tinha luva.

Explico: estavam fora do meu orçamento. Eu trabalho desde os meus 19 anos e a partir do meu primeiro salário, ainda como estagiária, sempre ajudei meus pais nas despesas da minha casa. Com o passar do tempo, por óbvio, fui ajudando mais; ou seja, meu salário sempre foi suficiente para passar o mês e cometer, em raros momentos, algumas extravagâncias. Assim, ia adiando… adiando… e nunca sobrava para comprar a luva.

No início deste ano fiquei desempregada e as voltas com todas aquelas dúvidas que a gente tem quando isso acontece, mas – graças a Deus – este problema durou pouco tempo. Entretanto, meu salário no meu novo emprego também não me permite despesas fora do necessário. Meu mestre, que não tem nada a ver com isso (claro!), sempre me cobrou este único deslize.

Minha luva do MMA.

Minha luva do MMA.

Meu irmão que, como vocês sabem, é preparador físico e trabalhou muito tempo com o American Top Team e, tentando sanar meu problema, me deu uma luva oficial de MMA, aquela em que os dedos ficam de fora. Adoro treinar com elas. São leves e você sente bem o soco. Mas não são luvas de Muay Thai. Por isso, volta e meia, quando o treino é de sombra, ou algo assim, tinha que usar uma da sala, o que nem sempre é agradável. Além de ser um material usado por outras pessoas, o tamanho pode não ser adequado para sua mão, o que vai tornar sua luta um tanto insegura.

Claro que ficava desconfortável nessa hora e com um peso enorme na consciência, que apenas fazia aumentar com as graduações que conquistava. Mas é aqui que a história fica bonita:

Nesta última quinta-feira, ao chegar na academia, encontrei – como de costume – meu mestre na sala de musculação. Depois de trocarmos aquele alô, ele virou-se para mim e disse: ‘Tenho um presente pra você’. Na hora, pensei que fosse alguma ironia com algo que aconteceria mais tarde na aula. Algo como: ‘Surpresa!Você vai dar aula hoje’ ou ‘Hoje, vamos fazer só luva…’ essas coisas. Só que não foi nada disso…

Quando entrei no tatame, atrasada (pois essa é uma ligeira concessão que meus anos de treino me permitem) fui encher minha garrafa d’água, colocar minha atadura e fazer meu breve aquecimento (já que venho direto da musculação). De repente, ele chegou do meu lado com um saco na mão (onde estava o par de luvas) e disse: ‘Presente pra você!’. Eu fiquei assustada e com cara de boba, sem saber bem o que falar e apenas perguntei ‘Por quê?’ e ele respondeu: ‘Por você ser uma excelente aluna’. Vocês não têm ideia do que eu senti. Fiquei emocionada e, confesso pra vocês aqui no Muay Thai Mulher, muito orgulhosa de mim.

Minha luva. Presente do meu mestre.

Minha luva. Presente do meu mestre.

Meu mestre, Alessandro Souza, estava reconhecendo meu esforço e a minha dedicação. Foi um prêmio, muito, muito maior do que a luva. Naquela hora, pensei no meu começo e em todas as vezes que pensei em desistir ou quando ia fazer aula mesmo muito cansada, mas firme no compromisso de continuar. Fiquei tocada, agradecida e tive a vitoriosa sensação de que tudo valeu (vale) a pena.

Portanto meu conselho: não desista. Aguente firme e prossiga. Mesmo quando achar que não vai dar. No final, saber que você conseguiu faz toda a diferença. Não tanto para os outros, mas para você mesma!

E você? O que te motiva ou desanima? Divida conosco aqui no Muay Thai Mulher. Sua experiência pode ajudar a outras pessoas.

Tenho recebido muitos comentários de mulheres que estão começando ou ainda querendo começar no Muay Thai, mas que carregam muitas dúvidas sobre esta arte marcial. Devido a uma visão ainda carregada de uma ideia de violência e de um certo preconceito sobre como fica a mulher que pratica o Muay Thai (vide o post anterior que trata do assunto), muitas – ainda que estejam morrendo de vontade de fazer uma aula – acabam tão preocupadas com essas coisas, que desistem antes de começar.

Por isso, o blog Muay Thai Mulher vai fazer alguns posts tratando das verdades e das mentiras sobre o Muay Thai. Aquela dúvida, aquele receio, aquele detalhe que te impede de dar o último passo e fazer uma aula, deixe como comentário no blog que eu vou tentar te dar uma orientação e, se eu não souber, vou procurar alguém que possa ajudar.

Agora, vou falar sobre dois comentários que exemplificam algumas dessas dúvidas.

O primeiro deles diz respeito a calejamento. Uma das leitoras do Muay Thai Mulher quis saber se a mão e outras partes do corpo ficam calejadas com a prática. O que posso dizer é que isso depende.

Será verdade se você estiver voltada para competição. Devido a intensidade do treinamento e a força que você irá impor nos golpes, sim. Será possível que os nós dos seus dedos, seus cotovelos, canela e até pés, possam ficar muito mais grossos e, portanto, apareçam calos ali.

Mas, isto será mentira, se a sua finalidade for apenas praticar o Muay Thai como uma atividade física, para enrijecer o corpo, tonificar e definir os músculos. Sua pele poderá ficar um pouco áspera, mas nada que se possa chamar de calejamento. Pode continuar a usar seus cremes e hidratantes nas mesmas quantidades. Não será necessário gastar um pote deles a cada aula. Se este for o seu medo, pode esquecê-lo e tratar de se encaminhar para o tatame mais próximo de você.

A outra dúvida abordava um assunto que já tratei aqui, lá no comecinho do blog, sobre as ataduras, se a elástica era melhor do que a bandagem que se compra na farmácia.

A resposta aqui é a mesma que a da dúvida anterior: depende. A sua adaptação é que vai dizer qual a que você deve usar. Alguns lutadores usam a de elástico para treinar apenas e na competição usam as bandagens, ou vice versa. Já outros usam as duas para as duas coisas. Eu posso dizer por mim: eu gosto mais da que vende na farmácia. Ela é perecível, ok. Tem uma vida curta, mas para mim, ela é melhor. Consigo sentir melhor meu punho e, por consequência, meu soco. Para que elas durem mais, ao final de cada aula, quando chego em casa, as desenrolo e as deixo penduradas para que sequem e não mofem.

Já as de elástico ou as de pano precisam de uma manutenção maior. É certo que elas vão durar mais, porém você deve lavá-las ao final de cada aula e  deixá-las secando, já que o suor será absorvido por elas. Esquecê-las dentro de sua bolsa após uma aula vai deixá-las com um cheiro ruim. Para usar na aula, elas ficam desenrolando das mãos se você não as colocar corretamente, porém a vantagem é que o velcro facilita na hora de fechar.

Ou seja, depende do que você preferir.

Então, essas foram só duas das dúvidas que recebi aqui no blog. Vocês podem continuar mandando seus comentários. Os próximos posts serão dedicados a esclarecer essas questões. Estou esperando, hein!?

Campeonato Carioca de Muay Thai - IV etapa.

Campeonato Carioca de Muay Thai - IV etapa.

Galera, como prometi para vocês, neste sábado consegui dar um pulo no Clube Vila Isabel, em Vila Isabel, no Rio de Janeiro, para conferir a IV Etapa do Campeonato Carioca de Muay Thai e contar para vocês aqui no Muay Thai Mulher um pouquinho de como foi a etapa. O evento começou às 10 horas da manhã e se estendeu até o final da tarde. Aconteceram vários combates entre amadores e também uma luta profissional, além de outras de exibição.

Eu e meu Mestre, Alessandro Souza.

Eu e meu Mestre, Alessandro Souza.

Quando cheguei no início da tarde (e, infelizmente, não pude ficar por muito tempo devido a outros compromissos), já tinham acontecido sete combates. O oitavo não durou nem dois minutos. Logo na primeira troca de golpes, um levou uma joelhada no nariz e a luta acabou por nocaute técnico. Lição para você que não defende direito joelhadas no treino. Quando seu mestre mandar você juntar os antebraços, não abaixar a cabeça e empurrar para baixo, lembre-se deste relato aqui. Pode fazer toda a diferença entre um nariz inteiro e um nariz quebrado…

Além dos dirigentes da Liga Carioca, dos árbitros, professores e lutadores, também compareceram a etapa muitos familiares e pessoas que curtem o esporte. Aliás, quem compareceu não deve ter ficado decepcionado. Os combates estavam em um nível muito bom.

Décimo combate do dia.

Décimo combate do dia.

Acompanhei com mais atenção o décimo combate do dia entre João Pedro e Bruno Barbosa. Boa luta com três rounds completos e vitória de 2×1, por decisão do júri, para Bruno Barbosa, da Boxe Thai, do Mestre Jonny Eduardo. Eu filmei o primeiro round da luta e pretendia já postar aqui, mas meu computador e meu celular estão tendo um conflito momentâneo e tão logo seja resolvido, colocarei o vídeo para vocês.

O vigésimo-nono combate do dia era feminino entre as lutadoras Camila e Luciana, mas não pude ficar para conferir. Porém, fica o registro de que as mulheres estão mesmo marcando seu espaço no Muay Thai. Aliás, muitas meninas estavam acompanhando as lutas. Muito bacana!

Parabéns à Liga Carioca de Muay Thai que está organizando com seriedade e toda a cerimônia que este tipo de evento esportivo merece as etapas do campeonato. Em tempo, O Muay Thai Mulher aproveita e já faz mais um convite: dia 20 de novembro, no mesmo local, acontece a final do Campeonato Carioca. Se você puder, compareça! Você vai curtir.

E na sua cidade? O que está rolando? Conta aí!

Tem gente que adora fazer. Se estica toda, põe perna para um lado, corpo para o outro. Dobra a coluna toda. Consegue ficar em qualquer posição sem esboçar qualquer expressão de dor. Você olha e jura que este ser totalmente flexível trabalha no Cirque du Soleil e está ali na sua frente só pra te provar que sua flexibilidade é uma negação.

Mas, ainda bem, essas pessoas não são maioria e o resto dos seres humanos que frequentam a academia devem ser como você e eu; ou seja, até conseguem dar uma esticadinha, mas com certo sacrifício e sem muito prazer.

Ainda que seja difícil e que as expressões de dor se manifestem em suas faces, muitos atletas amadores fazem suas sequências de alongamento. Atletas profissionais têm obrigação de fazer. Muito provavelmente, você já deve ter visto depois dos jogos (no vôlei tem muito isso), os jogadores voltando à quadra para fazer alongamento. Não, não é à toa. Existe uma razão para isso.

Posições de Alongamento.

Alongamento.

Não existe um consenso sobre se o alongamento deve ser feito antes e depois, ou só antes ou só depois, de qualquer atividade física, mas esta pessoa que aqui escreve para o Muay Thai Mulher pode dizer, por experiência própria: o ideal é fazer antes e depois.

O alongamento é fundamental: antes, para preparar seu corpo para uma atividade; e depois, para que ele relaxe do exercício intenso. Normalmente, as séries iniciais são um pouco mais longas e mais variadas, exatamente para que seus músculos se soltem e consigam ter um melhor desempenho. Já ao final, a série deve ser mais curta, menos intensa e mais voltada para a transição da intensidade para  o descanso.

Como já relatei aqui, eu malho e pratico Muay Thai há muitos anos e tenho a mesma rotina de treinamento (não de exercício); ou seja, vou para o trabalho, vou para a academia, malho, faço Muay Thai ou corro e faço aula de abdominal. Neste processo, durante muito tempo, me alongava durante uns 20 minutos antes de começar qualquer coisa e, depois de tudo, fazia mais uma série de uns 10 minutos. Era chato… É chato. Eu não tenho muita paciência para fazer alongamento, confesso. Mas fazia. E não tinha lesões.

Acontece que o tempo passa, a gente envelhece e precisa se cuidar mais para não se machucar. Porém, da mesma forma, quando se entra nessa rotina e se malha com intensidade, uma hora você acaba se tornando negligente e acha que pode cortar algumas etapas e não afetar em nada seu rendimento. Só que isso não é verdade. O alongamento foi o que eu achei supérfluo e me dei mal.

Já faz alguns meses que só faço alongamento nas aulas de Muay Thai, mas ainda assim, chego atrasada no treino e perco boa parte do aquecimento. Sabe o que eu ganhei com isso? Uma lesão na virilha que está me impedindo de treinar direto. Há umas duas semanas, dei um chute alto sem estar devidamente preparada e senti um incômodo. Não liguei e continuei treinando. Nos dias seguintes, continuei com a dor, até que me machuquei mesmo.

Por isso, meu conselho hoje é esse: não deixe de alongar, nem de se aquecer. Mesmo que você não goste, que ache monótono, não fuja dele! Faça e evite ganhar, de graça, uma lesão como eu ganhei!

E você? Gosta de fazer alongamento? Como é o aquecimento no seu treinamento? Compartilhe!

Fato! Estou dolorida…

Meninas, aqui vai um conselho (eu sei que se fosse bom, a gente vendia, não dava, mas esse vale!): se seu mestre disser para você fazer ‘luva’; ou seja, um treininho de luta, não recuse. Faça a maior quantidade possível!

Digo isso, e sem nenhuma desonra a minha graduação e aos meus nove anos de Muay Thai, porque eu mesma estou há muito tempo sem fazer esse tipo de treinamento. Já bati e apanhei muito e, como relatei anteriormente, faço boxe tailandês para melhorar meu condicionamento e minha forma física. Fazer luvas para mim sempre foi um tormento, simplesmente por que eu não gosto de bater e sei que posso ser bem ‘cavalinha’. Então, para  não machucar, acabo só me defendendo (e, vamos combinar, minha esquiva não é lá essas coisas) e, às vezes, tomo uma ou outra pancada sem necessidade.

Eu curto a aula. Curto ajudar meu mestre (quando ele precisa) a ensinar os outros alunos e, principalmente, as alunas  – porque elas confiam em mim (ver, no Muay Thai, uma mulher com uma graduação alta estimula). Mas, realmente, esse tipo de treino nunca me deixou à vontade. Porém, meninas, é necessário.

Como estou há muitos e muitos meses mesmo sem fazer luvas, ontem, meu mestre achou por bem que eu devia dar uma treinadinha, afinal de contas, como grau preto, devo ser um exemplo. O treino foi só mão, ou seja, nada de chutes, joelhadas ou etc, porque estou com uma lesão chata na virilha que está me atrapalhando, mas, ainda assim, fui lá eu treinar com meu companheiro de aula o Marcelo. Ah! Com um homem, sim… Mesmo machucada, meu mestre não me perdoa.

Gente, como estou fora de ritmo! Não foi um horror tremendo, mas vi como meu corpo está lento, com reações morosas e com agilidade duvidosa. Além disso, meu fôlego acabou logo. Bem, isso sem contar com a dor que estou hoje na lombar, nos ombros e nas costas. É preciso entender que um treino para luta é muito diferente de uma aula normal. Mas, é preciso que a gente exercite esse ‘tempo de rounds’.

Enquanto estava treinando, eu mesmo me xingava por estar há tanto tempo sem fazer esse tipo de movimentação. Desde que me tornei preta, meio que relaxei. Enfim… Meu conselho, portanto, é: não deixem de treinar luvas. Sem pânico, sem medo, sem estresse. Ninguém vai lutar com você de verdade. É apenas uma movimentação, mas é uma atividade que pode fazer a diferença nos seus ganhos físicos.

Você gosta de fazer ‘luva’ ou prefere os exercícios de movimento com os equipamentos? Conta aí!

Muita gente que freqüenta academia, ou mesmo quem não freqüenta, vive na paranóia de estar sempre bem. Malhar sempre bem. Ir no limite, acreditando que assim alcançará mais rápido o corpo e a forma dos seus sonhos.

Se você é como eu, então, pior ainda. Digo como eu, porque faço várias atividades físicas e estou sempre, sempre, querendo atingir o meu máximo. Acontece que isso não acontece.

Eu malho, corro e faço Muay Thai. Mas minha vida não é só essa, claro! Eu também trabalho. Então, minha rotina durante a semana é trabalho-academia. Na academia, eu malho e vou para o Muay Thai; ou malho, corro e vou para a aula de abdominal.

Tem dias que estou voando! Faço tudo na empolgação… Porém, em outros, mal consigo dar um soco decente no treino e isso me irrita muito. Você deve estar se identificando, porque existem dias em que, de fato, estamos mais dispostas e em outros menos.

A mulher, devido a variação hormonal que sofre (e piora com o peso dos anos), sofre muito mais com isso. Ainda que ela se alimente corretamente e lance mão de suplementos alimentares, não vai conseguir manter sempre o mesmo ritmo. Aceite: isso é normal!

Estou falando disso, porque esta semana, na aula, comecei a sentir uma dor no músculo posterior da coxa. Tinha acabado de malhar perna… Acontece, já que tinha cansado esta parte de minha musculatura antes da aula. Mas essa dor ligou um sinal de alerta de que possa estar chegando no meu limite e é muito importante respeitar o corpo.

Entrar em um processo de overtrainning é muito ruim e você deve evitar. Seu corpo vai estar executando as atividades no automático, porém sua explosão e ganho não serão os mesmos – ou sequer haverá ganho – e seu desempenho será abaixo do normal. Além disso, você pode se lesionar. Eventualmente, por isso, faço uma análise do meu desempenho tanto na musculação, como no Muay Thai. Vejo como estou realizando os movimentos e como estou me sentindo.

Claro que em um dia ou outro, você pode (por uma série de razões) não ter o seu melhor desempenho. Mas é fundamental observar se este estado de cansaço, de dor e não-ganho é constante. Se for, você deve dar uma paradinha. Não é um abandono… É uma parada. Uma semana, que seja!

Calma, você não vai perder o que ganhou, (mantenha sua alimentação) mas vai dar tempo para o seu corpo descansar e se recuperar. Eu faço isso de vez em quando para permitir uma recuperação muscular, afinal, o músculo cresce no descanso.

Portanto, se você está se matando na academia e no tatame, mas está se sentindo mais cansada do que o normal, está sentindo dores freqüentes e não está percebendo ganho nenhum, avalie se não é hora de dar uma paradinha. Ouça seu corpo, ele é seu melhor conselheiro!

Você já entrou alguma vez em overtrainning? Divida sua experiência!