Arquivo da categoria ‘Depoimentos’

Sei que no último post, prometi a vocês que faria uma série abordando as verdades e as mentiras sobre esta querida e nobre arte marcial. Podem ficar tranquilas leitoras do Muay Thai Mulher: cumprirei minha promessa. Mas neste post, peço licença a vocês pois preciso fazer um registro. Não, mais do que isso, preciso fazer um agradecimento. Espero também que possa ser mais um incentivo.

Não é segredo para ninguém e eu já relatei isso aqui mesmo no blog – faço mea culpa – que eu não tinha uma luva de Muay Thai. Quando comecei a praticar, lá em 2001, não tinha a intenção e nem pensava em um dia chegar tão longe. Meu interesse era fazer um esporte, uma luta que me estimulasse e me desse um bom condicionamento. Só que eu fui fazendo, fui passando nos exames… e cheguei até a preta 9 anos depois de ter começado.

Já é do meu temperamento ser disciplinada e obedecer hierarquia. No Muay Thai, como em qualquer arte marcial (e na vida deveria ser assim também), estes valores têm muita importância, pois ensinam o respeito aos mais velhos, ao seu oponente e aquele que é mais forte ou mais fraco que você. Nunca treinei sem uniforme, nunca treinei sem atadura e, depois que comprei, nunca mais treinei sem o protetor bucal. Porém, sempre falhei em uma coisa: não tinha luva.

Explico: estavam fora do meu orçamento. Eu trabalho desde os meus 19 anos e a partir do meu primeiro salário, ainda como estagiária, sempre ajudei meus pais nas despesas da minha casa. Com o passar do tempo, por óbvio, fui ajudando mais; ou seja, meu salário sempre foi suficiente para passar o mês e cometer, em raros momentos, algumas extravagâncias. Assim, ia adiando… adiando… e nunca sobrava para comprar a luva.

No início deste ano fiquei desempregada e as voltas com todas aquelas dúvidas que a gente tem quando isso acontece, mas – graças a Deus – este problema durou pouco tempo. Entretanto, meu salário no meu novo emprego também não me permite despesas fora do necessário. Meu mestre, que não tem nada a ver com isso (claro!), sempre me cobrou este único deslize.

Minha luva do MMA.

Minha luva do MMA.

Meu irmão que, como vocês sabem, é preparador físico e trabalhou muito tempo com o American Top Team e, tentando sanar meu problema, me deu uma luva oficial de MMA, aquela em que os dedos ficam de fora. Adoro treinar com elas. São leves e você sente bem o soco. Mas não são luvas de Muay Thai. Por isso, volta e meia, quando o treino é de sombra, ou algo assim, tinha que usar uma da sala, o que nem sempre é agradável. Além de ser um material usado por outras pessoas, o tamanho pode não ser adequado para sua mão, o que vai tornar sua luta um tanto insegura.

Claro que ficava desconfortável nessa hora e com um peso enorme na consciência, que apenas fazia aumentar com as graduações que conquistava. Mas é aqui que a história fica bonita:

Nesta última quinta-feira, ao chegar na academia, encontrei – como de costume – meu mestre na sala de musculação. Depois de trocarmos aquele alô, ele virou-se para mim e disse: ‘Tenho um presente pra você’. Na hora, pensei que fosse alguma ironia com algo que aconteceria mais tarde na aula. Algo como: ‘Surpresa!Você vai dar aula hoje’ ou ‘Hoje, vamos fazer só luva…’ essas coisas. Só que não foi nada disso…

Quando entrei no tatame, atrasada (pois essa é uma ligeira concessão que meus anos de treino me permitem) fui encher minha garrafa d’água, colocar minha atadura e fazer meu breve aquecimento (já que venho direto da musculação). De repente, ele chegou do meu lado com um saco na mão (onde estava o par de luvas) e disse: ‘Presente pra você!’. Eu fiquei assustada e com cara de boba, sem saber bem o que falar e apenas perguntei ‘Por quê?’ e ele respondeu: ‘Por você ser uma excelente aluna’. Vocês não têm ideia do que eu senti. Fiquei emocionada e, confesso pra vocês aqui no Muay Thai Mulher, muito orgulhosa de mim.

Minha luva. Presente do meu mestre.

Minha luva. Presente do meu mestre.

Meu mestre, Alessandro Souza, estava reconhecendo meu esforço e a minha dedicação. Foi um prêmio, muito, muito maior do que a luva. Naquela hora, pensei no meu começo e em todas as vezes que pensei em desistir ou quando ia fazer aula mesmo muito cansada, mas firme no compromisso de continuar. Fiquei tocada, agradecida e tive a vitoriosa sensação de que tudo valeu (vale) a pena.

Portanto meu conselho: não desista. Aguente firme e prossiga. Mesmo quando achar que não vai dar. No final, saber que você conseguiu faz toda a diferença. Não tanto para os outros, mas para você mesma!

E você? O que te motiva ou desanima? Divida conosco aqui no Muay Thai Mulher. Sua experiência pode ajudar a outras pessoas.

Gente, acabei de chegar da academia e entrei para dividir um momento de alegria com vocês, amigos e leitores do Muay Thai Mulher. O motivo deste post rápido é contar que hoje dei mais uma aula. Meu mestre precisou se ausentar e me passou esta importante tarefa. Já tinha estado a frente de uma turma outras duas vezes e, geralmente, o ajudo quando a sala está muito cheia, mas hoje foi especial.

Nas outras oportunidades, por ser véspera de feriado, a presença dos alunos não foi grande. Hoje, porém, a turma estava cheia. Pessoas de vários níveis e até uma principiante.

Dessa vez, me senti bem, muito bem comandando a turma e consegui passar as atividades para todos. Saí satisfeita. Acho que foi tudo bem… Pelo menos, todo mundo suou muito e ninguém reclamou no final.

Era isso, gente! Queria dividir esse momento, porque toda a vez que tenho a oportunidade de dar aula, de passar um pouquinho do que aprendi, me sinto muito feliz. Ainda mais porque tarefa demonstra a confiança do meu mestre em mim. Bem… amanhã tem outra!

Aliás, divido com vocês este momento de realização, pois desde que comecei a escrever o Muay Thai Mulher, recebo as participações de vocês e sinto que realmente posso contribuir com alguma coisa. Por isso, muito obrigada!

Quer compartilhar alguma experiência com o Muay Thai? Fique a vontade!

A cada dia que passa eu constato que o Muay Thai, de fato, chegou para ficar no universo das atividades físicas para mulheres. Seja na mídia ou mesmo vendo o movimento nas academias, a participação das mulheres nas aulas de luta é um movimento que não parece ter volta. Nós descobrimos os benefícios que esses exercícios podem trazer e viemos para ficar.

Quando comecei a praticar Muay Thai, lá pelo distante ano de 2001, como já disse aqui, assustava as pessoas ao dizer que fazia Boxe Tailandês. Perguntavam se eu não me machucava muito, se não tinha medo, se não ficava roxa. Essas coisas esteriotipadas que as pessoas tendem a perguntar quando não conhecem um assunto. Mas o tempo passa. Atualmente, ao dizer que faço as aulas, sempre encontro alguém querendo detalhes, dizendo que tem vontade de fazer ou mesmo que diz: ‘Eu faço também!’.

Por isso, hoje, eu trago mais um depoimento para mostrar isso que estou descrevendo para vocês. Quem vai contar a sua experiência com o Muay Thai é a Eliane Peixoto, produtora do Programa Show do Antonio Carlos, que trabalha comigo lá na Rádio Globo. Conversávamos casualmente, quando comentei que praticava e ela disse: ‘Eu também!”. Então, tá aí, mais uma a provar a febre que o Muay Thai é para mulheres.

Muay Thai Mulher: Há quanto tempo e onde você faz as aulas de Muay Thai?
Eliane Peixoto: Faço há 03 meses, na Academia ProFit, no Centro, com o mestre Wilson.

MTM:  Como você descobriu o Muay Thai?
E.P: Por curiosidade. Estava na academia fazendo ginástica localizada e resolvi assistir uma aula de Muay Thai para ver qual era, já que eu nunca tinha visto/assistido esse tipo de luta. Fiquei encantada. Participei da primeira aula de curiosidade. A partir daquela data, desisti das aulas de ginástica localizada e montei uma nova grade na academia, onde só tem  Muay Thai.

MTM: O que te motivou a começar as aulas?
E.P.: Foi paixão pelo mestre. Um cara centrado e de muita luz. Ele aplica as aulas com amor, sem discriminação entre homem e mulher, mas sabendo que nós, meninas, somos sexo frágil, sim.

MTM:  O que você mais gosta no treinamento?
E.P.: A forma respeitosa que a luta é feita. Homens e mulheres se misturam num ritmo de aprendizagem/defesa e não de luta/briga.

MTM:  O que o Muay Thai fez por você? Quais benefícios ele trouxe para sua vida?
E.P: Me deixa tranqüila. Quando termino as aulas (faço de segunda a sexta) me sinto aliviada, leve…

MTM: Por que você indica o Muay Thai para as mulheres?
E.P.: Porque é uma luta q mexe com todo o corpo. Meu corpo deu uma moldada em curtíssimo tempo. Não gosto de musculação, mesmo nunca tendo feito.  Vi um resultado rápido no Muay Thai. Inclusive, pra mim, é também uma terapia.

MTM: Eliane Peixoto, muito obrigada pelo seu depoimento. Mil beijos!
E.P.: Bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj,bj…

Viu? Mais uma que aderiu aos encantos e benefícios dessa atividade física fantástica! Você pode conferir o trabalho da Eliane, de segunda à sábado, das 6h às 9h da manhã, no Show do Antônio Carlos, na Rádio Globo (AM 1220 e FM 89,3).

E você? Quer dar seu depoimento também ao Muay Thai Mulher? Deixe seu comentário que eu entro em contato!

Fato! Estou dolorida…

Meninas, aqui vai um conselho (eu sei que se fosse bom, a gente vendia, não dava, mas esse vale!): se seu mestre disser para você fazer ‘luva’; ou seja, um treininho de luta, não recuse. Faça a maior quantidade possível!

Digo isso, e sem nenhuma desonra a minha graduação e aos meus nove anos de Muay Thai, porque eu mesma estou há muito tempo sem fazer esse tipo de treinamento. Já bati e apanhei muito e, como relatei anteriormente, faço boxe tailandês para melhorar meu condicionamento e minha forma física. Fazer luvas para mim sempre foi um tormento, simplesmente por que eu não gosto de bater e sei que posso ser bem ‘cavalinha’. Então, para  não machucar, acabo só me defendendo (e, vamos combinar, minha esquiva não é lá essas coisas) e, às vezes, tomo uma ou outra pancada sem necessidade.

Eu curto a aula. Curto ajudar meu mestre (quando ele precisa) a ensinar os outros alunos e, principalmente, as alunas  – porque elas confiam em mim (ver, no Muay Thai, uma mulher com uma graduação alta estimula). Mas, realmente, esse tipo de treino nunca me deixou à vontade. Porém, meninas, é necessário.

Como estou há muitos e muitos meses mesmo sem fazer luvas, ontem, meu mestre achou por bem que eu devia dar uma treinadinha, afinal de contas, como grau preto, devo ser um exemplo. O treino foi só mão, ou seja, nada de chutes, joelhadas ou etc, porque estou com uma lesão chata na virilha que está me atrapalhando, mas, ainda assim, fui lá eu treinar com meu companheiro de aula o Marcelo. Ah! Com um homem, sim… Mesmo machucada, meu mestre não me perdoa.

Gente, como estou fora de ritmo! Não foi um horror tremendo, mas vi como meu corpo está lento, com reações morosas e com agilidade duvidosa. Além disso, meu fôlego acabou logo. Bem, isso sem contar com a dor que estou hoje na lombar, nos ombros e nas costas. É preciso entender que um treino para luta é muito diferente de uma aula normal. Mas, é preciso que a gente exercite esse ‘tempo de rounds’.

Enquanto estava treinando, eu mesmo me xingava por estar há tanto tempo sem fazer esse tipo de movimentação. Desde que me tornei preta, meio que relaxei. Enfim… Meu conselho, portanto, é: não deixem de treinar luvas. Sem pânico, sem medo, sem estresse. Ninguém vai lutar com você de verdade. É apenas uma movimentação, mas é uma atividade que pode fazer a diferença nos seus ganhos físicos.

Você gosta de fazer ‘luva’ ou prefere os exercícios de movimento com os equipamentos? Conta aí!

Como estamos no domingo, vou continuar falando de assuntos leves… Na verdade, vou complementar o post de ontem.

Às vezes, tenho a sensação de que estou cercada de assuntos sobre boxe e Muay Thai por todos os lados, principalmente com relação a sua prática pelas mulheres. Pipocam na mídia, como relatei ontem, matérias sobre famosas que usam a luta para manter a boa forma.

Fiorella Mattheis treina Muay Thai

Fiorella Mattheis treina Muay Thai. Reprodução: Revista da TV, O Globo.

Hoje, para minha surpresa, abri o jornal e lá estava, na Revista da TV, do ‘O Globo’, na coluna da Patrícia Kogut, mais uma celebridade revelando usar o boxe para manter a forma. Se ontem falamos da Geovanna Tominaga, dessa vez, a parceira do programa Vídeo Show, Fiorella Mattheis, contou que está fazendo aulas há um mês e que está adorando o resultado.

Tá vendo? Mais uma para acrescentar a lista. Em tempo, uma piadinha me ocorre: com a Geovanna e a Fiorella fazendo boxe tailandês, não quero nem imaginar se um dia tiver briga nos bastidores do programa!

Embarcando na piadinha: Quem vocês acham que venceria?

Geovana no Mais Você. Captação de vídeo.

Geovanna Tominaga com Ana Maria Braga

Esta semana quase todos os meus amigos vieram falar comigo sobre a participação da apresentadora do Vídeo Show, Geovanna Tominaga, no Mais Você, de Ana Maria Braga, falando sobre Muay Thai.

A participação foi no programa de segunda-feira, e a moça levou seu professor para falar do esporte, contou por que pratica e até a Ana Maria Braga se arriscou a dar uns chutes e socos.

Isso só vem mostrar o que venho falando há muito tempo para meus amigos e, depois, aqui no blog sobre a eficiência do treinamento de Muay Thai para as mulheres.

Sandy fala sobre boxe

Sandy fala sobre boxe no Sensei SporTv. Divulgação.

Se você – assim como eu – perdeu essa, pode conferir o vídeo no site do Mais Você. Porém, neste sábado, no programa Sensei SporTv, do SporTv, que vai ao ar às 23h30min, quem vai falar de boxe e por que está praticando é a cantora Sandy. Ela vai contar que adora Ultimate Fighting e que começou a fazer aulas por influência do marido. Sandy já pratica há três anos. Ou seja, mais uma que curtiu. Mesmo não sendo o boxe tailandês (Muay Thai), é uma atividade afim…

Aliás, a lista de celebridades que já praticou, ou que pratica, é longa. Além da Júlia Tolipan, do AfroReggae, que a gente entrevistou aqui, e das duas citadas anteriormente, podemos falar também de Ivete Sangalo, Angélica, que já treinou para uma matéria, da atriz Christine Fernandes (que inclusive apresentou um projeto para a Globo de esportes voltado ao público feminino) e por aí vai…

Ou seja, mais exemplos para você seguir!

Quer acrescentar mais alguém a lista? Sabe de outras celebridades que curtem o Muay Thai? Conta aí…

Eu e Tathi depois do treino.

Eu e Tathi depois do treino.

Quando eu digo aqui que Muay Thai pode ser praticado por todas as mulheres, em qualquer idade e com qualquer estilo de vida, muita gente pode não acreditar. Mas, hoje, eu trago uma ‘testemunha ocular da história’. Tathiana Mendes treina comigo e é mãe de um garoto muito esperto. Eu quis saber um pouco sobre a rotina dela e trago para vocês, agora, o nosso bate-papo.

Blog Muay Thai Mulher: Porque você escolheu o Muay Thai?

Tathi: Sempre tive vontade de fazer Muay Thai. Gosto de lutas, mas nada de ficar me sufocando, presa, agarrada, no chão. Mas, morria de vergonha de fazer, pois quase não tinham mulheres. Até que estava na academia, nas minhas aulas de spinning que são ao lado da luta e percebi que o número de mulheres estava aumentando. Abrangendo mulheres de várias idades e formas físicas. Percebi que Muay thai poderia ser para todos, tomei coragem e entrei.

Blog: Em que o Muay Thai te ajudou?

Tathi: O Muay Thai me deu confiança! Sempre pratiquei atividades físicas, esportes, mas sempre fui muito tímida. Passei pela Natação, Balé, Ginástica Olímpica… Mas, fazia as aulas e quando chegava época de apresentação, competição, saía e retornava depois. Nem contava isso aos meus pais. Dizia que não queria mais fazer e depois resolvia voltar. Na verdade, morria de medo, de vergonha de me apresentar, competir. Com 4 meses de Muay Thai fui convidada pelo meu mestre a fazer o Exame e senti que estava pronta. Minha família toda foi me assistir e fiquei muito orgulhosa de ter vencido esse medo. O Muay Thai mudou minha vida!

Blog: O que você mais gosta da aula?

Tathi: Além de suar muito (quanto mais cansativa a aula,melhor me sinto), gosto da disciplina rígida. Gosto da exigência pela perfeição. Casualmente tem um movimento que você não se ache capaz de fazer,fica tímida de tentar e errar. E o mestre vira pra você e diz: Tenta, você vai conseguir, não desiste. Eu consigo,porque você não conseguiria. Passa uma igualdade, de tá uma força, uma capacidade muito importantes pra vida. E você percebe que de fato, consegue!

Blog: Como mãe, você acha que o Muay Thai te deu mais disposição para acompanhar o seu filho?

Tathi: Sem dúvidas. Criar um filho é uma tarefa árdua,cansativa e às vezes até estressante. Claro que é super prazeroso, alegra e colore seus dias. Mas, descobri no Muay Thai minha válvula de escape. Não só pelo bebê, mas pelo stress cotidiano. Meu humor melhorou muito. Fiquei até mais carinhosa com meu filhote. E, voltei a me exercitar de uma forma mais prazerosa, saindo da rotina das aulas de ginástica, etc. e aos poucos retomar a forma de antes da gravidez.

Blog: Você indicaria o Muay Thai para outras mães?

Tathi: Com toda certeza. Fortalece a coluna e o bíceps pra aguentar 16 kg de pura manha, querendo colo. Melhora sua disposição diária e te dá mais gás pras brincadeiras com seu pequeno. Eu recomendo!

Valeu, Tathi!

Viu? Treinar Muay Thai é ótimo para mulheres!

Você treina? Quer contar também a sua experiência. Escreva pra gente!

Show de abertura para o cantor Sting.

Júlia no palco em SP, abrindo o show do Sting.

Muita gente do meio artístico pratica Muay Thai como uma maneira de manter a forma. Uma dessas artistas vem a ser a cantora Júlia Tolipan, vocalista do Afroreggae e uma das apresentadoras do programa de Rádio Conexões Urbanas, ao lado de Patrícia Ferrer. O Conexões vai ao ar na rádio Roquete Pinto (94,1 FM), de segunda à sexta, às 5 horas da tarde e também na Rádio OI FM, aos sábados, às 19 horas. Se você quiser participar, aliás, é só entrar em contato pelo msn: urbanas@hotmail.com .

Pois a Júlia treina comigo e hoje, com grande prazer, eu trago para vocês a breve entrevista que fiz com ela sobre a sua opção pelo Muay Thai. Conheçam um pouco dessa grande pessoa, cantora e amiga: Júlia Tolipan.

Blog Muay Thai Mulher: Júlia, antes de mais nada, fale um pouco sobre seu trabalho no Afroreggae e também no programa Conexões Urbanas?

Júlia Tolipan: Eu já cantava com um grupo de Rap chamado “Julinha e Ber Mc” , até que meu cd demo chegou nas mãos do José Junior, coordenador do Afroreggae. A gente começou a se falar e ele me convidou para conhecer o projeto em Vigário Geral. Passei uma tarde de sábado por lá e conheci toda a história da comunidade e o surgimento do Grupo Cultural Afroreggae. Fiquei encantada. Logo depois veio o convite para minha primeira turnê. Fui com a Banda Afroreggae para Brasília e fiz uma participação no show, foi emocionante. A partir daí me tornei integrante do grupo. Fiz vários shows pelo mundo a fora. Momentos incríveis. Aprendi muito. Fiquei por 4 anos na Banda e recebi mais um convite do Junior, que hoje é mais uma das minhas paixões, o programa de rádio CONEXÕES URBANAS. Não tinha experiência nenhuma, aprendi tudo na prática, e hoje apresento 2 programas de rádio, os dois fazem parte do Afroreggae e carregam o mesmo nome, “CONEXÕES URBANAS”, de segunda à sexta às 5 da tarde é na Roquette Pinto e todo sábado às 7 da noite na OI Fm.

BLOG: Você sempre praticou atividade física? Algum esporte?

J.T.: Sempre gostei de esportes, atividade física, mas confesso que muitas vezes entrei, comecei e logo parei. Não dei muita continuidade aos exercícios, me cansava a rotina. Por isso, acabei fazendo várias atividades diferentes.

BLOG: Por que você escolheu o Muay Thai? Há quanto tempo você freqüenta as aulas?

J.T.: Uma amiga minha (fafá) já fazia há algum tempo o Muay Thai e, numa viagem, ela começou a me ensinar alguns golpes e eu adorei!!! Logo depois da viagem, fui fazer uma aula experimental e me apaixonei. Frequento as aulas há mais ou menos 4 anos , não consecutivos. Inclusive, no momento, estou parada. Mas volto mês que vem! (Nota do Blog: Estamos aguardando!)

BLOG: O que você mais gosta na aula e do que sente mais falta quando, por ventura, deixa de ir?

J.T.: Sinto falta de extravasar. É muito estressante o dia-a-dia. O Muay thai se tornou uma espécie de análise mental e corporal, sabe, alivia, te faz pensar no exercício, dá equilíbrio, força, velocidade, defesa, ataque, raciocínio e além disso tudo, ainda emagrece e define. Olha que maravilha!!! Não existe nada melhor. Depois que comecei o Muay Thai, não quis mais fazer qualquer outro exercício. Nada substitui. E claro que gostei tanto porque também gosto muito do meu mestre Alessandro Souza.

BLOG: Quais os benefícios que o Muay Thai trouxe para você, tanto do ponto de vista estético, quanto de saúde?

J.T.: Disciplina, me trouxe tranquilidade, meu corpo teve um rápido resultado. Me deu mais equilíbrio e preocupação com minha alimentação.

BLOG: O Muay Thai te ajudou no seu condicionamento físico de alguma forma, já que você faz shows e tem uma vida bastante movimentada?

J.T.: Nossa, me ajudou muuuito! Percebo muito a falta que me faz quando fico horas em cima de um trio elétrico cantando!!!! Os treinos me dão mais disposição no dia-a-dia!

BLOG: O Muay Thai é uma atividade que você aconselharia às mulheres a praticarem?

J.T.: Eu aconselho sempre! É um excelente exercício para as mulheres. Principalmente, para as que tem muita TPM! Rs

BLOG: Júlia, muito obrigada por esse bate-papo! Muay Thai!

J.T.: Muay Thai!!!!!!!! Adorei!!!! bjocassss

Não deixem de acompanhar o Conexões Urbanas e de curtir mais do super trabalho da Júlia e do Afroreggae.

Gostou? Tem alguma pergunta para a Júlia? Deixe seu comentário.

Letícia treinando

Letícia treinando

A frase acima faz parte do depoimento de Letícia Barcellos, de 16 anos, estudante do 2º ano do ensino médio e uma das minhas companheiras na aula de Muay Thai da academia Universo Atlético. Hoje, é ela quem dá o seu depoimento sobre a prática.

Acompanhe e ganhe mais um incentivo para começar a treinar. É mais uma prova de que, independente da idade, é um exercício sempre bom para as mulheres. Lelê, meus agradecimentos pela sua preciosa participação! Tô de olho, hein!

Com a palavra, Letícia:

‘Comecei a fazer Muay Thai a 1 ano e alguns meses. Fiz ballet e outras danças a minha vida inteira, mas tive que parar aos 12 anos por problemas fisicos.

Depois de uns seis meses descobri o Muay Thai. Vi algumas coisas na TV, alguns amigos meus faziam também, então eu acabei tento vontade de entrar, mas eu não sabia aonde fazer, até descobrir que meu irmão fazia. Enrolei um pouco, por preguiça e pelo meu pai também, que não queria que a filha dele lutasse, mas enfim consegui convencê-lo.

Letícia durante a aula

Letícia treinando com a manopla.

Bom, entrei em maio do ano passado (2009), consegui o grau vermelho em dezembro do mesmo ano e pretendo chegar ao grau preto. Vai demorar um pouco, mas chegarei lá.

Quando entrei não esperava gostar tanto assim, acho que me indentifiquei com o Muay Thai, talvez pelo meu jeito, minha personalidade, não sei, mas eu me divirto muito e por mais que canse, eu relaxo lá. É otimo para “esquecer seus problemas”. No começo tive um pouco de dificuldade com os meus pés, por causa da dança, mas nada que com o tempo não fosse resolvido.

O Muay thai não é violento como muitos acham, mas como toda luta e como todo esporte você pode se machucar. Não é começar a fazer aula e já lutar, você vai ter todo um preparo para isso, vai aprender as coisas basicas pra poder lutar. Muitas gente prefere não lutar, prefere treinar só no saco, escudo ou manopla, mas eu, partircularmente, gosto de lutar, gosto da adrenalina da luta, e no futuro bem próximo, pretendo começar a participar de campeonatos.’

Viu? Siga o exemplo da Letícia. E, para ajudar ainda mais, amanhã eu vou trazer uma entrevista com Júlia Tolipan, cantora do Afro Reggae e uma das apresentadoras do programa Conexões Urbanas. Além de tudo isso, ela também é mais uma praticante de Muay Thai e uma companheira de treino. Saibam porque ela escolheu esta atividade. Não percam!

Tem um depoimento também? Divida conosco sua experiência.

Como tudo começou

Penso que seja honesto de minha parte iniciar este blog com um depoimento pessoal sobre a escolha desta prática esportiva. Muita gente torce o nariz (minha mãe, inclusive) imaginando que a pessoa se machuca e que, no caso das mulheres, se torna mais masculina. Nada disso! O Muay Thai é uma atividade esportiva que traz um enorme benefício físico para quem pratica, principalmente quando é bem orientada (como, aliás, deve ser sempre).

Ao contrário do que muita gente pensa, portanto, fazer uma luta não torna ninguém mais agressivo. Pelo contrário! O praticante – seja ele apenas aluno de uma academia (séria e orientado por um professor sério) ou profissional – aprende e entende as reações do seu corpo e é capaz de controlar seus impulsos, canalizando sua ansiedade, sua ‘raiva’ ou seu estresse para o momento adequado. Neste caso, o treinamento.

Quando resolvi praticar o Muay Thai, comumente chamado também de boxe tailandês, poucas mulheres faziam a aula. Mas este detalhe não foi uma barreira para mim. Como freqüento academia há bastante tempo (faço musculação desde 1994) já estava um pouco cansada da mesma rotina:

    Alongamento (para aquecer);
    Musculação;
    Aeróbico (bicicleta, esteira ou transport);
    Alongamento (para desaquecer – mais pra frente tocarei neste assunto de forma mais específica).

Queria uma atividade que exigisse um pouco mais de mim e que me fizesse aprender coisas novas de vez em quando.

Foi assim que, em 2001, comecei a prestar atenção nas aulas de Muay Thai da Academia Universo Atlético, onde malho. Fiz uma aula experimental e adorei!

Quando comecei havia apenas três meninas, depois, contudo, o número de alunas em algumas aulas era muito maior do que o de alunos. O que aconteceu? Aconteceu que as mulheres começaram a prestar atenção em outros tipos de exercício físico que pudessem conjugar vários elementos positivos em um só e este é o caso do Muay Thai.

Apesar de praticar há muitos anos e de ter alcançado o grau preto, meu objetivo jamais foi entrar em competições ou coisa parecida. Nunca me machuquei nas aulas, assim como meus companheiros de treino. Faço boxe para melhorar meu condicionamento, minha coordenação, ganhar tonicidade muscular e definição.

Normalmente, em um treino de 1 hora ou 1 hora e meia, você aquece, treina movimentos, pratica golpes com um parceiro, faz abdominais e alongamento. Esta combinação ajuda a liberar endorfina, perder gordura, além de ser um excelente redutor de estresse e de tensões.

Nos próximos posts pretendo trazer informações que contribuam para que você, que está lendo o blog, entenda como o Muay Thai pode ser um excelente exercício físico. Em especial para mulheres, em qualquer idade.

Você quer praticar, mas está na dúvida. Deixe seu comentário, que eu tento ajudar.